Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Má que jête?

Este mundo tá passado dos carretos ´moss!

Má que jête?

Este mundo tá passado dos carretos ´moss!

04
Fev14

Estou dividida e a culpa é da praxe

Susana

Ora bem ainda não tinha falado aqui sobre o assunto quente do momento mas chegou a um ponto em que já não aguentei mais, apesar de já estar a "ver" muitos olhos revirados enfadados com o assunto aqui vai na mesma.

Digo desde já que fui praxada há 17 anos (uau assim tanto?!), era uma miúda de 18 anos, tímida ao nível de enjoar, nunca tinha estado longe de casa e muito menos fazia ideia do que era ensino superior ou a praxe.

Digo também que jogou a meu favor o facto de ficar maravilhosamente instalada na casa da minha tia e madrinha (bons tempos) mas isso não me impediu de ser praxada, de andar imunda pelas ruas de Beja, molhada, cheia de farinha misturada com coisas desconhecidas, de vestir as calças ao contrário ou de atar os meus atacadores a um dos colegas e tentar correr, resumindo corri, saltei, brinquei e andar com um penico na cabeça não me traumatizou só me fez rir, logo ali fiquei a conhecer o pessoal, o gelo quebrou e eu na minha gigantesca timidez consegui relaxar.

Mas...claro que existe um mas...eu estava na superior de educação mas existiam outras sendo que uma delas era a agrária e sobre essa as historias sobre as praxes era bem diferentes e tudo o que oiço de mau sobre as praxes agora ouvia eu na altura sobre a agrária, nunca vi nada mas pessoas que viram contavam e eu ficava estarrecida, como era possível permitirem por exemplo praxes em pocilgas envolvendo excrementos?!Logo ali pensei respirei de alivio por não lá ter ido parar, achei degradante e que nada fazia para nos integrar ou divertir.

Por isso disse que estava dividida, não posso generalizar porque existem boas experiencias e conheço muitas incluindo a minha irmã que foi praxada há menos tempo e também adorou mas também sei que muitos se aproveitam das praxes para descarregar nos caloiros as sua frustrações para por umas horas fingirem que são superiores humilhando, deitando abaixo, olham as fragilidades de quem está longe de casa e esfregam as mão de contentes e dizem "este é mesmo bom, vai sofrer" e aí começa a gritaria, os insultos, a humilhação.

Há quem diga que não existe praxe boa, a praxe é má e ponto, não concordo acho que existem as duas e que estão a enfia-las todas no mesmo saco o que é injusto.

Tudo isto se fala agora devido a uma grande tragédia que a ser provado ter tido origem numa praxe alguém terá que ser punido, deu-se atenção à praxe pelos piores motivos quando antes já os responsáveis deviam estar atentos, já antes existiram casos de violência por parte desses pseudo doutores frustrados com a vida e ninguém lhes deu a devida atenção, logo aí tudo poderia ser diferente, abram os olhos senhores reitores e afins.

Vi os prós e contras e senti vergonha, aquela vergonha alheia constrangedora quando alguém argumentava contra as praxes e os estudantes interrompiam com "bocas"e assobios perdendo toda a razão que poderiam querer ter, mau, muito mau, muito infantil, achei também muito cómico o comentário da estudante da universidade do Algarve quando esta fez a revelação "estrondosa" da praxe no meio jornalístico, vejam lá que obrigam os coitados dos recem licenciados a beber um shot de absinto como forma de praxe!Oh God visto dessa forma auto praxei-me muitas vezes, trauma não ficou apenas alguma amnésia ou mal estar resultante de excesso (juventudes).

Sobre o programa muito de certo de disse e confesso que os contra saíram a ganhar visto quem era a favor não conseguir defender os seu pontos de vista com argumentos válidos e disso tive pena.

Para finalizar e porque já me dói os dedos de escrever quero dizer ao Dux de Coimbra que ele sim é um mau exemplo para todos os estudantes universitários, 24 anos a estudar! 24 anos! vergonha e depois ainda vem dizer que é por também trabalhar há 20 que não consegue acabar o curso, que no seu curso não há aulas à noite! tenha vergonha na cara que de estudante não tem nada está é a insultar todos os estudantes trabalhadores do país que se matam a trabalhar para acabar o curso o mais depressa possível porque o dinheiro custa a ganhar, deixo apenas um exemplo, a minha irmã tirou o seu curso superior, pagou com o seu trabalho e não teve nunca aulas de noite apenas lutou muito, estudou, conseguiu mas não deixou de se divertir e sentir a vida académica, isto é ser estudante, um conjunto de coisas que marcam, que preparam para a vida.

Por isso meus amigos de certa forma estou dividida, não se pode generalizar.

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me por aqui

Goodreads

Blogs de Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • Facebook

    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D